Racismo ou injúria racial? Como o Tribunal de Justiça de Minas Gerais se posiciona diante dos conflitos raciais

Andrea Franco Lima e Silva, Ludmila Mendonça Lopes Ribeiro

Resumo


Neste trabalho, apresentaremos uma análise dos acórdãos do Tribunal de Justiça de Minas Gerais sobre os processos que tenham, como ponto central, práticas identificadas como racismo, discriminação ou preconceito de raça ou de cor. Com isso, buscamos responder às seguintes questões: que tipos de conflitos envolvendo raça ou cor são julgados, em segunda instância, pelo Tribunal; que atos, palavras e expressões estão presentes nesses casos; e quais são os argumentos utilizados e as estratégias discursivas empregadas pelos réus, pelos autores e pelos juízes na administração do conflito. Nossos resultados indicam que o sistema jurídico mineiro tende a descontextualizar expressões historicamente racistas, negando que a origem do conflito seja o preconceito racial, o que mantém a desigualdade característica de nossa sociedade.

Palavras-chave


Racismo; Justiça; Acesso à justiça; Pesquisa empírica em decisões judiciais; Sociologia das relações raciais

Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo, C. M. M. de (1978). Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Cardoso, L. (2010). Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y juventud, 8 (1), pp. 607-630.

Coacci, T. (2013). A pesquisa com acórdãos nas Ciências Sociais. Métodos e fontes de pesquisa em Ciências Sociais, 18 (2).

Bourdieu, P. (1998). O poder simbólico. Tomaz, F. (Trad.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

DaMatta, R. (1981). A fábula das três raças ou o problema do racismo à brasileira: uma introdução à Antropologia Social. Petrópolis: Vozes.

__________ (1997). A casa e a rua. Rio de Janeiro: Rocco.

Durkheim, É. (1983). Lições de sociologia: o direito, a moral e o Estado. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Fernandes, F. (1965). A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ed. Nacional.

Freyre, G. (2006). Casa Grande e Senzala (48ª ed.). São Paulo: Global.

Fry, P. (2006). Ciência Social e Política “Racial” no Brasil. Revista USP, São Paulo, 68, pp. 180-187, dez/fev 2005-2006.

Geertz, C. (1975). The interpretation of cultures: selected essays. London: Hutchinson.

Gomes, N. L. (2005). Educação anti-racista: Caminhos abertos pela Lei Federal n. 10.639/03. Secretaria de Educação Continuada. Alfabetização e Diversidade. Brasília.

Guimarães, A. S. (2004). Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, 47 (1), São Paulo.

________(2003). Como trabalhar com raça em sociologia. Educação e Pesquisa, São Paulo, 29 (1), jan./jun, pp. 93-107.

________(2000). O insulto Racial: As ofensas verbais registradas em queixas de discriminação. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, 38, pp. 31-48.

Hasenbalg, C. A. (1979). Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal.

Kant de Lima, R. (2004). Direitos Civis e Direitos Humanos: uma tradição judiciária pré-republicana?. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, 18, pp. 49-59.

______________(2001). Administração de Conflitos, Espaço público e cidadania uma perspectiva comparada. Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, 1 (2), pp. 11-16.

Machado, M. (2009). A legislação anti-racismo no Brasil e sua aplicação: um caso de insensibilidade do Judiciário?. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 76, pp. 79-105.

Machado, M. R. de A.; Santos, N. N. da S. & Ferreira, C. C. (2015). Legislação anti-racista punitiva no Brasil: uma aproximação à aplicação do Direito pelos Tribunais de Justiça brasileiros. Revista de Estudos Empíricos em Direito, 2 (1), jan., 2015, pp. 60-92.

Merryman, J. H. (1969). The civil law tradition: an introduction to the legal systems of Europe and Latin America. California: Stanford University Press.

Moura, C. (1994). A dinâmica político-ideológica do racismo no novo contexto internacional. São Paulo em Perspectiva, 8 (3), São Paulo, pp. 66-76.

Munanga, K. (2004). Um abordagem conceitual dos conceitos de raça, racismo, identidade e etnia. Brandão, A. A. (Org.). Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira, Universidade Federal Fluminese, Niterói.

Muniz, J. O. (2012). Preto no branco? Mensuração, relevância e concordância classificatória no país da incerteza racial. Dados, 55 (1), pp. 251-82.

Rodrigues, R. N. (1977). Os africanos no Brasil (5ª ed.). São Paulo: Cia. Editora Nacional.

_______. As coletividades anormais (1939). Senado Federal, Conselho Editorial, 2006.

Sadek, M. T. A. (2002). Estudos sobre o sistema de justiça. Miceli, S. (Ed.). O que ler na ciência social brasileira, 4. São Paulo: Sumaré.

Sales Jr, R. (2006). Democracia racial: o não-dito racista. Tempo social, revista de sociologia da USP, São Paulo, SP, 18 (2), nov., pp. 229-258.

Santos, E. de M. L. (2010). Racismo e injúria racial sob a ótica do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Santos, I. A. A. (2013). Direitos Humanos e as Práticas de Racismo. Brasília: Edições Câmara.

Schwarcz, L. M. (2012). Nem preto, nem branco, muito pelo contrário. São Paulo: Claro Enigma.

Valente, R. C. (2014). Sobre etnografia em condições de poder e assimetria: Uma experiência sobre o campo da cooperação para o desenvolvimento a partir da GTZ. Castilho (org.) et al. Antropologia das práticas de poder: reflexões etnográficas entre burocratas, elites e corporações. Rio de Janeiro: Contra-Capa, Faperj.

Vianna, A. (2014). Etnografando documentos: Uma antropóloga em meio a processos judiciais. Castilho (org.) et al. Antropologia das práticas de poder: reflexões etnográficas entre burocratas, elites e corporações. Rio de Janeiro: Contra-Capa, Faperj.

Weber, M. (2004). Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. 2. Brasília: Editora Universidade de Brasília.




DOI: http://dx.doi.org/10.19092/reed.v3i1.96

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Indexado em:

  Crossref logo periodicos logo j4f logo worldcat logo sherpa romeo